fbpx

Nobreak e sua aplicação na área médica

Nobreak e sua aplicação na área médica

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Com o alto crescimento da modernização nos hospitais e clínicas, ocorre também o aumento de processos e procedimentos internos. Além disso, com o aumento dos casos de COVID-19, é indispensável à presença dos nobreaks em ambientes hospitalares mesmo contendo geradores de energia, que mantém os equipamentos protegidos contra as quedas de energia por muito tempo.

Os geradores são responsáveis por alimentar todas as cargas, como iluminação e os elevadores, que são as principais causadoras de variações de tensão e frequência.

Ficar sem energia pode colocar vidas em jogo. Na UTI, por exemplo, há diversos pacientes que dependem de aparelhos e que não podem, de maneira alguma, cair à energia. Falhas em diferentes tipos de situações atrapalham em resultados de diagnósticos, reagendamento de pacientes e entre outros.

Tenha ciência dos equipamentos que serão ligados e tenha em mente a potência e autonomia do equipamento, assim você saberá o melhor tipo de Nobreak que se encaixará ao que você precisa, resultando em proteção, energia reserva, melhor funcionamento e vida útil dos equipamentos.

– Qual o melhor tipo de Nobreak nessa ocasião?

No caso da área médica, por terem vários equipamentos que possuem a necessidade de ser conectado a um Nobreak, há Nobreaks para proteção de estação de enfermagem, escritórios, sala de servidores, armários de rede e sala de servidores.

O Nobreak mais indicado é o Online, por ser alimentado por uma bateria que é recarregada constantemente, então a energia que vai até os equipamentos é filtrada contra os problemas da rede elétrica por ser alimentada da bateria do Nobreak, e não da tomada.

Este tipo de Nobreak utiliza uma onda senoidal pura, que é limpa e indicada para produtos sensíveis que necessitam de uma corrente sem mudanças bruscas.

Logo, vemos a importância da proteção da rede dos equipamentos médicos de hospitais ou laboratórios, não gerando constrangimentos aos pacientes e nem aos funcionários.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *